quinta-feira, 17 de julho de 2014

Faixa de Gaza ATUALMENTE




segunda-feira, 23 de junho de 2014

O Avião de Papel



Apresentando uma técnica inovadora, que combina técnicas de animação gerada por computador e desenhada à mão, o diretor estreante John Kahrs leva a arte da animação a uma direção nova e ousada com “O Avião de Papel”. Usando um estilo preto e branco minimalista, o curta segue a história de um jovem solitário na cidade de New York do meio do século, cujo destino toma um rumo inesperado após um encontro casual com uma mulher bonita no seu trabalho pela manhã. Convencido de que a garota dos seus sonhos foi embora para sempre, ele ganha uma segunda chance quando a vê em uma janela de arranha-céu na avenida de seu escritório. Com apenas o seu coração, imaginação e uma pilha de papéis para obter a sua atenção, seus esforços não são páreo para o que o destino tem reservado para ele. Criado por uma pequena e inovadora equipe da Walt Disney Animation Studios, “O Avião de Papel” leva o meio de animação a uma excitante nova direção.

REFERÊNCIAS
Disney Mania

quinta-feira, 12 de junho de 2014

"Peladas Futebol Clube"


As prostitutas de Belo Horizonte prometem fechar a rua Guaicurus, no centro da capital, no próximo sábado (14), para jogar uma "pelada". Neste dia, haverá o primeiro jogo da Copa do Mundo no Mineirão. A disputa em campos mineiros será entre Colômbia e Grécia. 

Segundo a Associação das Prostitutas de Minas (Aprosmig) estará em "campo" o time "Peladas Futebol Clube", com as 23 integrantes, que estarão vestidas com um uniforme de futebol. "É uma forma de brincadeira. Já fizemos outras ações e conseguimos chamar muita atenção, inclusive da imprensa estrangeira", explicou a vice-presidente da Aprosmig, Laura Maria do Espírito Santo.

Aumentar a quantidade de clientes não é o objetivo da ação, de acordo com Laura, mas sim participar da Copa de uma maneira bem-humorada.

As prostitutas filiadas a associação já participam de aulas de línguas deste o ano passado para melhor receber os estrangeiros e aumentar o faturamento durante o mês do Mundial. Elas receberão ainda uma cartilha para ajudá-las na comunicação com os turistas.

REFERÊNCIAS

sábado, 28 de dezembro de 2013

Facebook está "morto" diz estudo

Segundo um extenso estudo europeu, o Facebook está "morto e sepultado" para os adolescentes mais velhos, que estão migrando para Twitter, Instagram, WhatsApp e Snapchat.
Ao pesquisar o uso da rede social por pessoas entre 16 e 18 anos em oito países da União Europeia, o estudo Global Social Media Impact diz que, enquanto pais, mães e usuários mais velhos saturam o Facebook, os mais jovens vão para plataformas alternativas.
"O Facebook não está apenas em queda –está basicamente morto e enterrado", escreveu Daniel Miller, antropólogo que liderou a equipe da pesquisa e professor de cultura material na UCL (University College London).
                       
                                    
"A maioria até se sente envergonhada por ser associada à rede. Antes os pais se preocupavam com os adolescentes se inscrevendo no Facebook, mas agora eles dizem que suas famílias querem que eles permaneçam lá, compartilhando coisas sobre suas vidas."
Os adolescentes não se importam se os serviços alternativos são menos funcionais ou sofisticados, e eles também não estão cientes de como suas informações pessoais são usadas comercialmente ou vigiadas por serviços de segurança, concluiu a pesquisa.
"Aparentemente o momento crucial em que um jovem decide sair do Facebook é quando sua mãe lhe envia uma solicitação de amizade", escreveu Miller. "Não é novidade que os mais novos se importam com estilo e status em relação a seus amigos, e o Facebook simplesmente não é mais tão legal."

REFERÊNCIAS

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

O povo Maori teve uma grande diferença de outros povos colonizados no passado, como o Índio Brasileiro ou Americano  ou o Aborígene Australiano. Esses foram massacrados e obrigados à seguir as regas do colonizador. No caso Maori, não houve colonização passiva, pois eles respondiam a qualquer invasor com ferrenha resistência, travando tantas sangrentas batalhas na NZ, que muitas vezes levaram o inimigo à fugir, ou parar na mesa de jantar. Por isso não houve colonização, mas sim um acordo através do Tratado de Waitangi, no qual ambos tiveram vantagens, tanto o colonizador quanto o colonizado.

A Haka é um mantra de Guerra, em que uma dança é ensaiada para afugentar o inimigo, ou dizer que não esta com medo dele. Numa dança coordenada e palavras cadenciadas é cantada em tom forte, clama o inimigo para se aproximar, e encarar. Expressões faciais, caretas, mostra de força dos músculos e movimentos com os braços, culminam com um passo a frente, com postura de quem está prestes a arremessar uma lança, e distende-se a língua completamente para fora de forma ameaçadora. Uns dizem que o significado da língua para fora é só para amedrontar, outros dizem que era um convite para o jantar, no qual o inimigo seria o prato principal. 

A Haka é também cantada pelos All Blacks (Seleção de Rugby da Nova Zelândia) uma tradição antes do início do jogo Rugby.



Ka mate! Ka mate! Ka ora! Ka ora!
Ka mate! Ka mate!
Tenei te tangata puru huru!
Naa nei tiki mai whaka whiti te Ra!
Hupane! Ka Upane!
A Hupane! Ka Upane!
Whiti te Ra!
HI !

REFERÊNCIAS

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

NÃO SE FAZEM MULHERES COMO ANTIGAMENTE.....

Stálin, Hitler, Pol Pot, Ivan, o Terrível. Provavelmente, estes são os primeiros nomes que vêm à sua cabeça quando te perguntam sobre “mentes diabólicas”, certo? Então esta lista é para você. Saiba que algumas mulheres podem ser bem malvadas, a ponto de figurarem entre os humanos mais cruéis de todos os tempos. Veja seis mulheres infernais – e meio desconhecidas – que deixam qualquer tirano no chinelo.
Condessa Elizabeth Báthory de Ecsed (1560 – 1614)

Melhor que botox...
Vários nobres de sangue azul derramaram muito sangue vermelho ao longo da história, mas a Condessa Elizabeth foi uma das únicas mulheres da realeza a se tornar serial killer. A húngara foi acusada de torturar e matar 80 garotas, com a ajuda de quatro pessoas. Mas testemunhas afirmaram que 650 cabeças de jovens donzelas rolaram por causa da condessa.
Elizabeth nunca foi sequer julgada. Mas, em 1610, a condessa foi submetida a uma espécie de “prisão domiciliar” em um castelo na Eslováquia. E ficou lá até morrer, quatro anos mais tarde.
Quer saber o pior? Tempos depois, foram encontrados textos que diziam com todas as letras que a condessa matava garotinhas porque – atenção! – gostava de se banhar no sangue de moças virgens para manter a sua juventude. Ai, se algumas celebridades brasileiras descobrirem esse segredo de beleza…
Delphine LaLaurie (1775 -  1842)
Mais conhecida como Madame LaLaurie, Delphine foi uma socialite de Nova Orleans. Em abril de 1834, um incêndio tomou a cozinha da mansão e os bombeiros encontraram mais do que labaredas por lá.
Nos escombros, encontraram dois escravos acorrentados. A dupla – que havia começado o fogo pra chamar atenção – levou os bombeiros para o sótão, onde havia mais ou menos uma dúzia de outros escravos presos nas paredes e no chão.
Aparentemente, LaLaurie havia instalado uma filial do laboratório do Dr. Frankenstein. Suas vítimas estavam amputadas, tinham bocas costuradas e sexos trocados (!). Teve boatos de que ela até executou uma cirurgia bizarra para transformar um dos escravos em caranguejo, realocando os membros de seu corpo. #tenso. Infelizmente, a justiça tardou e falhou – Delphine nunca foi pega pelos seus crimes.
Ilse Koch (1906 – 1967)
Os homens nazistas marcaram a história com muitos casos cruéis, mas Ilse Koch mostrou que a maldade não está só no cromossomo Y. Apelidada de “a maldita de Buchenwald”, Ilse foi casada com Karl Otto Koch, membro da SS, e superou o marido no quesito sadismo.
Ela ficou conhecida por ostentar uma coleção um tanto quanto sinistra – Ilse arrancava a pele de presos com tatuagens para criar revestimentos “exóticos” para as cúpulas das lamparinas de sua casa! Além disso, dizem que a mulher tinha o costume de andar nua pelos campos de concentração armada com um chicote: aquele que ousasse olhar para ela duas vezes apanhava feio. Ilse foi presa no fim da guerra e acabou se enforcando dentro de sua própria cela.
Mary Ann Cotton (1832 – 1873)
Mary Ann Cotton não era mole. Aos vinte anos de idade, ela se casou com William Mowbray e começou uma bela família – teve cinco filhos! Só que quatro deles morreram com “febre gástrica e dores de estômago”. Estranho, mas na época ninguém achou suspeito.
Mary Ann teve outros três filhos que, veja só, também faleceram. Logo em seguida, foi William quem partiu desta para uma melhor, por causa de uma “doença intestinal”, em 1865. A inglesa recebeu um dinheirinho de pensão e seguiu a vida, casando-se com George Ward logo depois. Só que George morreu do mesmo mal que William, assim como os dois últimos filhos da mulher. Sério mesmo.
A imprensa estranhou (já estava na hora, né?). Pesquisaram o passado de Mary Ann e desenterraram um histórico impressionante: ela tinha perdido três maridos, um amante, um amigo, a mãe e os doze filhos – todos de febre gástrica. Resultado? Ela foi enforcada lentamente em 1873 por homicídio causado por envenenamento. Sabe como é. Algumas pessoas não se dão bem com arsênico.
Belle Gunness (1859 – 1908)
Eis a história de Belle Gunness, uma serial killer que era um mulherão – literalmente, ela media 1.83m! Belle impunha respeito e metia medo em Chicago. A norueguesa cometeu crimes parecidos com a amiga ali de cima, mas desta vez não foi loucura. Foi pura ganância.
Ela matou seus dois maridos e todos os filhos que nasceram destas uniões, além de inúmeros namorados e pretendentes. Tudo para pegar o dinheiro dos seguros de vida (ou os trocados em seus bolsos). Dizem que, no total, foram mais de 20 vítimas, mas só conseguiram confirmar meia dúzia de mortes, incluindo a das suas duas filhas, Myrtle e Lucy.
A matadora não foi julgada e muito menos presa. Morreu supostamente em um incêndio criminoso, mas o corpo estava sem a cabeça – que nunca mais foi encontrada. Além disto, o laudo percebeu que o cadáver ali na maca era um pouco menor do que Belle. E aí, conspirólogos?
Katherine Knight (1955 – )
Para terminar, mais uma viúva negra. Katherine foi a primeira mulher australiana a ser sentenciada a prisão perpétua – graças ao seu histórico criminal recheado de violência. Exemplo? Ela basicamente quebrou os dentes de um ex marido, degolou o cachorro filhotinho na frente de outro marido (no maior estilo “o próximo pode ser você”) e perfurou o estômago do terceiro com uma tesoura.
Mas o homem que teve menos sorte (ou mais azar) foi John Charles Thomas Price, um namorado que acabou morrendo com uma faca de açougueiro enterrada no corpo – trinta e sete vezes.  Enquanto dormia.
E como se não bastasse, Katherine pegou o corpo, esfolou a pele ensanguentada dele e pendurou-a na porta da frente. Cortou a cabeça e colocou-a na panela de fazer sopa e, para finalizar, assou as nádegas do homem! Ela ainda fez um molhinho e uma salada para acompanhar e estava preparando a mesa do banquete para os filhos dele quando a polícia chegou. Cruzes!
REFERÊNCIAS
SUPERINTERESSANTE

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Senador Firmino - MG

Procissão de Corpus Christi - Década de 1940

Senador Firmino é um município mineiro com uma população total de 6.598 (IBGE 2000) fundado por volta de 1701 por Antônio Fernandes Furtado e o Capitão Feliciano Cardoso de Mendonça, tornando-se distrito em 1841 com o nome de Conceição do Turvo, pertencente ao município de Piranga, e posteriormente ao de Ubá, do qual se emancipou em 17 de dezembro de 1938.

Vista da Igreja Matriz ao fundo e da Praça Getúlio Vargas (atual Praça Raimundo Carneiro) - Década de 1940

Recebeu este nome em homenagem à Senador Firmino Rodrigues da Silva, que era nascido em Niterói - RJ e casado com uma moça de uma cidade próxima(Piranga - MG) faleceu em Paris em 1879 . Logo, percebe-se que não tinha laços estreitos com o município que até hoje leva seu nome.
 Senador Firmino Rodrigues da Silva

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O fim do MSN: relembre os sons clássicos do messenger

Os boatos se confirmaram: a Microsoft anunciou hoje o fim do MSN. A partir de 2013 o programa será descontinuado. Desde 1999 o MSN fez parte da vida online de praticamente todos os internautas. Desde nicks como “carolzinha_RBD“, emotions estranhos como a ovelha, bate papo via webcam ao famoso vírus “delete a pasta System 32“. O MSN nos marcou.

E se existe algo que realmente marcou essa jornada, sem dúvidas foram os sons. Então, vamos relembrar todos? Acenda uma vela e chore de nostalgia e saudades…



REFERÊNCIAS

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Ônibus faz flexões em homenagem aos Jogos de Londres



O tradicional ônibus de Londres que pesa 6 toneladas, foi adaptado com dois braços que permitem um movimento de flexição. Foram feitas várias adaptações e o ônibus com braços tem até voz.

REFERÊNCIAS
Mundo Positivo

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Já vai tarde...

sábado, 14 de abril de 2012

Problemas de comunicação



Vídeo bastante divertido sobre como problemas de comunicação podem afetar substancialmente o processo de transmissão de informação e mudar completamente o conteúdo transmitido.

domingo, 1 de abril de 2012

Barraco no programa ‘Agora é Tarde’ do Danilo Gentili

A produção do programa 'Agora é Tarde', da Rede Bandeirantes, bem que tentou esconder, mas o show apresentado pelo humorista Danilo Gentili teve um barraco que não foi ao ar na atração de ontem (29). Para a nossa alegria, sempre tem alguém filmando tudo com um celular.

A briga aconteceu no quadro 'Mesa Vermelha', após Leo Lins fazer uma piada com o peso do humorista Marcelo Mansfield. As brincadeiras sobre seu peso vinham se repetindo programa a programa, e parece que essa foi a última. Assista a partir dos 50 segundos:



REFERÊNCIAS

Yahoo

quinta-feira, 29 de março de 2012

Políticos do Brasil

domingo, 25 de março de 2012

Clube Atlético Mineiro



O mesmo NOME e as mesmas CORES a 104 anos.

domingo, 4 de março de 2012

Orquestra tocando RAGATANGA

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Nasa divulga mais incrível imagem em alta definição da Terra


A agência espacial norte-americana, a Nasa, divulgou, nesta quarta-feira (25), o que chamou de "a mais incrível imagem em alta definição já feita da Terra". A fotografia foi tirada pelo novo satélite meteorológico da Nasa, o Suomi NPP, em 4 de janeiro de 2012.

Para retratar o nosso planeta com tamanha resolução, o satélite capturou várias imagens usando o instrumento VIIRS (Visible/Infrared Imager Radiometer Suite Instrument), capaz de enxergar luz visível e infravermelha por meio de radiometria.

A imagem mais nítida da Terra no espaço foi divulgada um dia depois do satélite Suomi NPP ser batizado com este nome. Anteriormente, o objeto espacial meteorológico era conhecido apenas pela sigla NPP, algo como "Projeto Nacional de Satélite Ambiental Polar-Orbital".

A decisão de rebatizar o satélite foi tomada para homenagear Verner Suomi, um dos cientistas pioneiros no desenvolvimento de sondas para análise do clima terrestre.

O satélite foi lançado em 28 de outubro de 2011, da base californiana de Vandenberg, com o objetivo de melhorar os prognósticos meteorológicos de curto prazo e aumentar o entendimento da mudança climática.

REFERÊNCIAS

MSN

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Um "GRANDE" exemplo da GLOBALIZAÇÃO

Algumas versões de "Ai se eu te pego"

LIBRAS


FRANCÊS


ITALIANO


ESPANHOL


INGLÊS


GUARANI


POLONÊS


OBS: Assim como a original, todas as versões são horríveis.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Brasil: um país de Marias e Josés

Maria e José são os nomes mais populares no Brasil, o país com o maior número de católicos em todo mundo. Estes já somam uma legião de 22,3 milhês de pessoas, o que equivale a duas vezes a população de Potugal por exemplo.

A preferência por estes nomes é tamanha que, a variação mais utilizada é a combinação dos dois.

Para cada duas Marias existe um José.

A influência católica é facilmente percebida na lista dos 50 nomes mais populares do Brasil, de acordo com os dados publicados pela Consultoria ProScore, Bureau de Informação e Análise de Crédito, baseada em um banco com o registro de 165 milhões de CPFs de brasileiros.

Dentre eles, os cinco primeiros colocados são nomes bíblicos (Veja a lista abaixo):

1º - Maria - 13.356.965

2º - José - 7.781.515

3º - Antônio - 3.550.752

4º - João - 2.988.744

5º - Francisco - 2.242.146

6º - Ana - 1.996.377

7º - Luiz - 1.541.895

8º - Paulo - 1.416.768

9º - Carlos - 1.384.201

10º - Manoel - 1.334.182

11º - Pedro - 995.254

12º - Fracisca - 853.590

13º - Marcos - 823.738

14º - Raimundo - 821.242

15º - Sebastião - 798.627

16º - Antônia - 672.400

17º - Marcelo - 628.138

18º - Jorge - 587.670

19º - Márcia - 557.347

20º - Geraldo - 530.050

21º - Adriana - 529.778

22º - Sandra - 497.971

23º - Luís - 492.208

24º - Fernando - 489.142

25º - Fábio - 481.790

26º - Roberto - 480.695

27º - Márcio - 471.906

28º - Edson - 467.806

29º - André - 465.484

30º - Sérgio - 462.397

31º - Josefa - 453.636

32º - Patrícia - 446.001

33º - Daniel - 439.826

34º - Rodrigo - 438.083

35º - Rafael - 432.356

36º - Joaquim - 431.594

37º - Vera - 430.683

38º - Ricardo - 423.616

39º - Eduardo - 417.277

40º - Terezinha - 409.120

41º - Sônia - 403.702

42º - Alexandre - 403.114

43º - Rita - 396.901

44º - Luciana - 390.507

45º - Claudio - 390.104

46º - Rosa - 385.634

47º - Benedito - 378.680

48º - Leandro - 378.136

49º - Raimunda - 372.672

50º - Mário - 364.589

REFERÊNCIAS
Jornal Estado de Minas, 29/11/2011.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

OBRIGADO Pandora



23/06/2006 a 21/11/2011

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

PALHAÇOS fiscalizam o trânsito na Venezuela

Moradores da cidade de Sucre, na Venezuela, assistiram a uma diferente intervenção para colocar em pauta a educação no trânsito. A prefeitura da cidade localizada na região metropolitana da capital Caracas, pôs 120 palhaços mudos nas principais ruas.

O objetivo era chamar a atenção, educada e polidamente, para infrações no trânsito de motoristas e pedestres. Os palhaços se comunicavam com as pessoas e davam bronca naquele que estavam errados, como os motoristas sem cinto de segurança.

REFERÊNCIAS
O Tempo

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Universal do Reino de Deus se expande em ritmo de multinacional

O sucesso da Igreja Universal no Brasil e no mundo e a força econômica do mercado cristão foram os temas de reportagem especial publicada recentemente pela rede pública britâmica de jornalismo, a “BBC”. Destacando a dimensão e a importância da construção do Templo de Salomão, uma das obras mais importantes em andamento em São Paulo, como já havia feito anteriormente o jornal britânico “The Guardian”, a “BBC” chama atenção para os números e a força deste segmento. “Mercado bilionário crescente, mas ainda pouco estudado, o segmento de produtos cristãos movimenta estimados R$ 12 bilhões por ano no Brasil”, afirma o texto, citando cálculos de Mário René, professor de Ciências do Consumo Aplicadas na Escola Superior de Propaganda e Marketing.

A “BBC” ressalta, no artigo, que tal prosperidade é puxada principalmente pela IURD, que tem ganhado espaço no Brasil e na Inglaterra, dois dos 110 países em que atua – “alcance não conseguido por nenhuma empresa multinacional brasileira”, conforme destaca a reportagem.

Entre os grandes feitos resultantes de tal poderio econômico está a construção do Templo de Salomão, uma réplica do templo descrito na Bíblia, com mais de 70 mil metros quadrados de área construída.

O avanço é resultado do aumento do número de cristãos no Brasil. Segundo o estudo Mapa das Religiões, feito pela Fundação Getúlio Vargas, os evangélicos representavam 20,2% da população do País em 2009, contra 9% em 1991.


Modificado de: Folha Universal, ano 19, número 1.014, de 11 a 17/09/2011.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Prejuízos do 11 de setembro

Estima-se que os EUA tenham gasto entre US$ 3,2 trilhões (cerca de R$ 5,2 trilhões) e US$ 4 trilhões (cerca de R$ 6 trilhões) nas guerras do Iraque e no Afeganistão.

Além disso, o número anual de mortos aumentou desde que a guerra começou, em outubro de 2011. Mais vidas estão sendo perdidas na guerra do que quando o Talebã estava no controle do país.

O número de mortes da coalizão no Iraque está em 4.792 até agora, comparados a 2.963 no Afeganistão, desde o começo de setembro de 2011.

A quantia estimada de seguros pagos relacionados ao 11 de setembro de 2001 no mundo é de cerca de US$ 40,2 bilhões (cerca de R$ 66,5 bilhões).

Perdas para a cidade de Nova York relacionadas aos ataques de 11 de setembro, incluindo perda de empregos, de coleta de impostos, danos à infraestrutura, e limpeza: US$ 95 bilhões (cerca de R$ 157 bilhões).

REFERÊNCIAS
Watson Institute, Brown University, 2011

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Temas que podem cair na redação do Enem 2011


Para garantir uma boa nota na redação, a dica é ficar atento sobre questões nacionais. Ter uma noção da questão para saber se posicionar ajuda o candidato a deixar de lado abordagens e expressões ingênuas sobre o assunto.

Outra dica é ler sobre as atualidades que acontecem no mundo (mesmo que o exame costume priorizar os assuntos nacionais).

De acordo com o professor de Redação e Gramática do cursinho Anglo Eduardo Lopes "o corretor espera que o estudante proponha algum encaminhamento e não uma solução. O Enem busca notar qual é o posicionamento crítico do estudante e espera esse encaminhamento de maneira consistente e que respeite os direitos humanos e individuais. Ninguém espera que o estudante solucione um problema sério, como a desigualdade social, mas ele quer avaliar qual é o posicionamento dele perante esse tema".

Para ajudar a se preparar para a redação, clique nos links abaixo e confira oito temas que podem cair na redação do Enem:

REFERÊNCIAS
MODIFICADO DE: UNIVERSIA Brasil

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Enquanto isso... na península de Izu...


Na península Izu, um gobião espia pela janela de sua casinha numa lata de refrigerante, lembrança das 127 milhões de pessoas do outro lado da superfície.
Foto de Brian Skerry

sábado, 21 de maio de 2011

Desabafo da professora Amanda Gurgel



Depoimento simplesmente FANTÁSTICO!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Deadly Games - Jornalista da ESPN afirma que Olimpíadas e Copa no RJ serão jogos mortais

Sede da próxima Copa do Mundo e das Olimpíadas de 2016, o Rio de Janeiro sofreu um duro ataque na imprensa americana. A questão é a segurança na cidade para esses grandes eventos.

‘Jogos Mortais’ é o título do artigo publicado no dia 10/05/2011 no site da rede americana ESPN. O texto assinado pelo jornalista Wright Tompson carrega nas tintas para pintar um quadro assustador do Rio. O americano destaca que, perto de onde vão acontecer os jogos olímpicos e a Copa do Mundo, há comunidades que viraram zonas de guerra.

E diz que as favelas cariocas são lugares de desespero desde o surgimento da primeira, em 1897. Segundo o texto, depois de ignorá-las por mais de um século, o governo agora tem menos de três anos para mudar a realidade nelas.

O governador do Rio, Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes não quiseram se pronunciar sobre a publicação da ESPN. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do estado informou que a situação do Morro dos Macacos não é a mesma descrita pela reportagem e que os projetos para área de segurança vêm ajudando a diminuir os índices de violência.

Desde dezembro de 2008, o Rio já conta com 16 Unidades de Polícia Pacificadora. No ano passado, em todo o estado, caiu quase 18% o número de homicídios dolosos e 29% os casos de roubo seguido de morte.

O artigo reconhece o efeito positivo das UPPs. Mas ressalta o medo de moradores de que a segurança acabe depois dos jogos olímpicos. Para o sociólogo Gláucio Soares, especialista em segurança pública, o artigo foi mal escrito e é tendencioso.

“Comportamento padrão quando um país que ainda não entrou na elite industrializada sedia um grande evento dizer que vai ser corrupto, mal organizado. Disseram isso do campeonato mundial no Chile, em 1962. Vai ser violento porque a sociedade é violenta. Caso da África do Sul, caso do México e agora caso do Brasil”.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

quarta-feira, 4 de maio de 2011

domingo, 1 de maio de 2011

Luan Santana é vaiado e xingado na Indy 300



OBS: Saudades da VANUZA.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

"Mineiramente" Chery chega à Europa

Recentemente, dois modelos da Chery ingressaram na frota oficial de veículos governamentais de países do Leste Europeu. Ao todo, quinze unidades do Chery Cielo e duas unidades do Chery Tiggo foram introduzidas na frota da Polícia Sérvia.
Bastante competitivo, o processo de licitação contou com a participação de marcas europeias, como Skoda, Peugeot, Fiat e Volkswagen, bem como de marcas japonesas e coreanas, como Toyota e Hyundai. Pela excelente qualidade do produto e pelo profissional serviço de pós-venda, a Chery, que começou a operar no mercado sérvio apenas há um ano, destacou-se entre as marcas de automóveis europeus, americanos, japoneses e coreanos e venceu a licitação.
Em pouco tempo, a Chery se espalhou por todas as principais cidades da Sérvia e Macedônia. Pela elegante aparência e bom desempenho, os carros da Chery tem alcançado boa aceitação dos consumidores locais.
A Chery também ganhou acesso ao mercado de veículos governamentais de países como Egito e Iraque. A estreia no mercado de veículos do governo sérvio tem demonstrado plenamente que os produtos e serviços da Chery ganharam maior reconhecimento no exterior. Esse fato vai impulsionar ainda mais a popularidade da Chery e estabelecer uma fundação sólida para conquistar maior entrada da marca na Europa.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Coisas de NERD, mas, bem legais

O artigo do qual eu retirei três exemplos de "Coisas de NERD" têm o nome de "Dez Gadgets para aproveitar melhor sua viagem", ou seja, coisas totalmente sem noção que uma pessoa normal NUNCA levaria para uma viagem.

Porém, os objetos a seguir são bem interessantes:
Você está na praia e precisa de um abridor de garrafas. O que você faz? Tira os chinelos, claro!
O modelo Fanning é fabricado pela Reef em borracha sintética à prova d´água. No site ele é recomendado para abrir garrafas de refrigerante, mas é claro que ele também é útil para abrir uma merecida cervejinha.

Disponível aqui.


Esse é o sonho de qualquer campista. É uma garrafa com um litro de capacidade, mas também é uma lanterna. Durante o dia, um painel capta energia da luz solar. À noite, 4 LEDs garantem algumas horas de luz.



Que tal uma mochila que, além de guardar sua parafernália, coleta energia solar para carregar seus aparelhos? Essa é a ideia da OffGrid Solar BackPack. Ela armazena a energia em uma bateria para que você depois possa carregar seu gadget. De quebra ela tem 11 adaptadores diferentes para conectar seu aparelho.

Disponível aqui.


ARTIGO COMPLETO EM: msn.com

sexta-feira, 8 de abril de 2011

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O SOTAQUE DAS MINEIRAS, POR UM PAULISTANO

OBS: Felipe Peixoto Braga Netto (1973) afirma que não é jornalista, não é publicitário, nunca publicou crônicas ou contos - não é, enfim, literariamente falando, muita coisa, segundo suas próprias palavras.

Paulistano, mora em Belo Horizonte e ama Minas Gerais. Ele diz que nunca publicou nada, mas a crônica que abaixo foi extraída do livro 'As coisas simpáticas da vida', Landy Editora, São Paulo (SP) - 2005, pág. 82.

O SOTAQUE DAS MINEIRAS
(F.P.B. Netto)

O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar. Afinal,se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar, sensual e lindo das moças de Minas ficou de fora?

Porque, Deus, que sotaque! Mineira devia nascer com tarja preta avisando: 'ouvi-la faz mal à saúde'. Se uma mineira, falando mansinho, me pedir para assinar um contrato doando tudo que tenho, sou capaz de perguntar: 'só isso?'. Assino, achando que ela me faz um favor.

Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma. Certa vez quase propus casamento a uma menina que me ligou por engano, só pelo sotaque.

Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas. Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho. Não dizem: pode parar, dizem: 'pó parar' Não dizem: onde eu estou?, dizem: 'onde queu tô.'

Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e levianamente, que os mineiros vivem - linguisticamente falando - apenas de uais, trens e sôs.

Digo-lhes que não. Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual atividade. Fala que ele é bom de serviço. Pouco importa que seja um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô. Se der no couro - metaforicamente falando, claro - ele é bom de serviço. Faz sentido.

Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem. Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra: 'cê tá boa?' Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma mineira se ela tá boa é desnecessário.

Há outras. Vamos supor que você esteja tendo um caso com uma mulher casada. Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer: - Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc.) O verbo 'mexer', para os mineiros, tem os mais amplos significados. Quer dizer, por exemplo, trabalhar. Se lhe perguntarem com o que você mexe, não fique ofendido. Querem saber o seu ofício.

Os mineiros também não gostam do verbo conseguir. Aqui ninguém consegue nada. Você não dá conta. Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz: '- Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô.'

Esse 'aqui' é outra delícia que só tem aqui. É antecedente obrigatório, sob pena de punição pública, de qualquer frase. É mais usada, no entanto, quando você quer falar e não estão lhe dando muita atenção: é uma forma de dizer 'olá, me escutem, por favor'. É a última instância antes de jogar um pão de queijo na cabeça do interlocutor.

Mineiras não dizem 'apaixonado por'. Dizem, sabe-se lá por que, 'apaixonado com'. Soa engraçado aos ouvidos forasteiros. Ouve-se a toda hora: 'Ah, eu apaixonei com ele'. Ou: 'sou doida com ele' (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro).

Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira. Nada pessoal. Aqui certas regras não entram. São barradas pelas montanhas.

Por exemplo: em Minas, se você quiser falar que precisa ir a um lugar, vai dizer: - 'Eu preciso de ir.' Onde os mineiros arrumaram esse 'de', aí no meio, é uma boa pergunta. Só não me perguntem! Mas que ele existe, existe. Asseguro que sim, com escritura lavrada em cartório.

No supermercado, o mineiro não faz muitas compras, ele compra um tanto de coisa. O supermercado não estará lotado, ele terá um tanto de gente. Se a fila do caixa não anda, é porque está agarrando lá na frente.
Entendeu? Agarrar é agarrar, ora!

Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará:'- Ai, gente, que dó.'

É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras.
Não vem caçar confusão pro meu lado! Porque, devo dizer, mineiro não arruma briga, mineiro 'caça confusão'. Se você quiser dizer que tal sujeito é arruaceiro, é melhor falar, para se fazer entendido, que ele 'vive caçando confusão'.

Ah, e tem o 'Capaz'. Se você propõe algo a uma mineira, ela diz: 'capaz'! Vocês já ouviram esse 'capaz'? É lindo. Quer dizer o quê? Sei lá, quer dizer 'ce acha que eu faço isso'!? com algumas toneladas de ironia. Se você ameaçar casar com a Gisele Bündchen, ela dirá: 'ô dó dôcê'. Entendeu? Não? Deixa para lá.

É parecido com o 'nem'. Já ouviu o 'nem'? Completo ele fica: '- Ah, nem' O que significa? Significa, amigo leitor, que a mineira que o pronunciou não fará o que você propôs de jeito nenhum. Mas de jeito nenhum. Você diz: 'Meu amor, cê anima de comer um tropeiro no Mineirão?'. Resposta: 'nem.' Ainda não entendeu? Uai, nem é nem. Leitor, você é meio burrinho ou é impressão?

Preciso confessar algo: minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das mineiras. Aliás, deslizes nada. Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão.

Se você, em conversa, falar: 'Ah, fui lá comprar umas coisas.' - Que's coisa? - ela retrucará. O plural dá um pulo. Sai das coisas e vai para o 'que'!

Ouvi de uma menina culta um 'pelas metade', no lugar de 'pela metade'. E se você acusar injustamente uma mineira, ela, chorosa, confidenciará: - Ele pôs a culpa 'ni mim'.

A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios, em Minas. Ontem, uma senhora docemente me consolou: 'preocupa não, bobo!'. E meus ouvidos, já acostumados às ingênuas conjugações mineiras, nem se espantam. Talvez se espantassem se ouvissem um: 'não se preocupe', ou algo assim. Fórmula mineira é sintética e diz tudo.

Até o tchau, em Minas, é personalizado. Ninguém diz tchau, pura e simplesmente. Aqui se diz: 'tchau pro cê', 'tchau pro cês'. É útil deixar claro o destinatário do tchau.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Oasis, Coca-Cola e um mundo melhor

Um comercial criado para a Coca-Cola pela agência Santo, de Buenos Aires, começou a rodar recentemente em diversos países da América Latina. Intitulado “Razones para creer” (Razões para acreditar), o vídeo apresenta dados animadores tentando mostrar que o mundo ainda tem jeito.

Nele aparece o Young People’s Chorus, um coral de crianças de Nova York, cantando a música “Whatever”, a melhor do Oasis, que foi lançada em 1994 e sequer saiu no clássico “Definitely Maybe”.

Para quem gostou da música, segue abaixo a versão da música com o Oasis, em um momento de muito amor entre Noel (Guitarra e Vocal) e Liam (Vocal) no palco.

ATENÇÃO PARA OS MINUTOS 1:03 E 1:58. Chegam a ser hilários.

REFERÊNCIAS

http://oasisnews.com.br/?p=4259

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Revolução silenciosa

Bolívia enriquece, distribui renda, cuida da saúde do seu povo, acaba com o analfabetismo. E irrita a elite branca

“A Bolívia não é um país, é um acampamento”, disse certa vez, durante a ditadura brasileira, o general Golbery do Couto e Silva. E teria dito também que seria bom dividir esse “acampamento” entre os países vizinhos, de maneira que o país sumisse do mapa. Não haveria muito de novidade nisso.

Na época de sua independência, há 201 anos, a Bolívia tinha 2,3 milhões de quilômetros quadrados – hoje tem menos de 1,1 milhão. O Brasil foi o que mais garfou. O Chile tomou a fatia de litoral e deixou o país sem acesso ao mar. E são terras ricas em minérios. Peru, Argentina e até o Paraguai têm territórios conquistados da Bolívia.

Essa perda sucessiva de território sempre teve a ver com maus governantes e com militares corruptos. Todos eles descendentes de europeus. Os índios, de diversas etnias, entre elas a aymara e a quechua, nunca tiveram vez. Eram considerados não cidadãos. Até que um índio, vencendo todos os preconceitos, chegou ao governo.
Era nisso que eu pensava enquanto traduzia, admirado, parte do livro A Potência Plebeia – Ação Coletiva e Identidades Indígenas, Operárias e Populares na Bolívia (Boitempo Editorial), de Álvaro García Linera, que além de sociólogo e matemático é vice-presidente do país.

Linera é um grande intelectual, nascido em família mestiça de classe média. E teve papel importante na eleição de Evo Morales, pois foi um fator de atração da classe média urbana, que torcia o nariz para a possibilidade de um presidente índio.

Se no Brasil, como vemos quase cotidianamente lembranças na imprensa, havia o “complexo de vira-latas”, no dizer de Nelson Rodrigues, imagine a autoestima dos índios bolivianos! Não eram levados em consideração nem mesmo pela esquerda tradicional, que tinha o operariado como protagonista das transformações, e pronto! Índio não fazia parte das expectativas revolucionárias dessa esquerda.

E o que vemos agora? A Bolívia se enriquecendo, distribuindo renda, cuidando da saúde do seu povo, acabando com o analfabetismo (e, nisso, é preciso lembrar que a maior parte da população fala aymara ou quechua, mas há vários outros idiomas indígenas). A autoestima indígena está mais alta que os Andes. O operariado, representado pelos mineiros, agora é configurante no processo de transformação.

Falando em mineiros, algo acontecido em quase toda a América Latina: um líder com um passado respeitável se convertendo em capacho internacional. Na Bolívia foi Victor Paz Estenssoro, que liderou uma revolução popular em 1952, nacionalizou as minas (principal fonte de renda do país), foi eleito novamente em 1985 e fez um governo neoliberal criminoso: entregou o patrimônio do país aos estrangeiros e jogou seus operários no desemprego e no desespero.

Linera pode ser considerado um ideólogo do governo Morales. No livro, uma coletânea de ensaios (o primeiro deles sobre a atualidade do Manifesto Comunista, que pode ser pulado por quem quiser entrar diretamente no assunto Bolívia), conta todo esse processo, desde sua gestação até o esperneio da elite branca da atual parte rica da Bolívia, o leste, que não se conforma em perder o poder, mas não tem projetos consistentes nem líderes capazes de retomar o poder.

Os índios experimentaram o sabor de estar no comando. E gostaram. E inovam: em vez de um país com uma única etnia com direitos, como havia antes, propõem um país multiétnico, pluricultural. Mas não aceitam submissão, estão conscientes de seu poder e reafirmam sua identidade. Com as bênçãos de Pachamama (Mãe Terra), em suas festas tremulam as whiphalas, bandeiras multicoloridas dos povos andinos, com cada cor simbolizando algum aspecto da cultura indígena (a terra, a energia, o tempo, o espaço cósmico etc.). Uma revolução sem holofotes acontece ali.

REFERÊNCIAS

http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/55/revolucao-silenciosa

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Welcome to Russia: Copa do Mundo 2018



Comentário: Fantástico vídeo de candidatura da Rússia à Copa do Mundo de 2018. Belas paisagens, belas pessoas, belos estádios, será um bela copa. PARABÉNS RÚSSIA.

Emerald Sea pode ser o nome da nova rede social da Google

O novo projeto de rede social do Google está sendo chamado internamente de Emerald Sea ou Mar de Esmeralda, segundo o site TechCrunch. A novidade está sendo testada entre os funcionários da empresa e tem planos de se tornar uma rede social espalhada por todas as propriedades do Google.

O site de relacionamento pretende oferecer um ambiente mais seguro para os usuários com restrições em algumas áreas para proteger os mais jovens. Segundo o site Online Social Media, esta é a forma que a Google encontrou de transformar o Emerald Sea em um rival de peso para o Facebook.

A Google tem um vasto histórico de projetos de mídias sociais, como o Buzz e o Lively, porém poucos deram certo. O Orkut é um dos únicos que ainda permanece com relativo sucesso, pois aqui no Brasil é a rede social mais acessada há anos. A data de lançamento do projeto ainda não foi confirmada, assim como o nome. De acordo com um ex-funcionário da empresa, os apelidos internos dados aos novos produtos sempre mudam, por isso é bastante provável que o nome oficial da rede seja outro.

REFERÊNCIAS

http://olhardigital.uol.com.br/jovem/redes_sociais/emerald-sea-pode-ser-o-nome-da-nova-rede-social-da-google/15169

Um jornal exclusivo para tablet


Neste final de semana, foi criado um burburinho em torno dos rumores de que a News Corp, responsável pelo Wall Street Journal e o MySpace, lançará o The Daily, um jornal que estaria disponível apenas no iPad. O projeto estaria sendo desenvolvido em parceria com a Apple.

Segundo o Guardian, o Daily vai emular uma publicação impressa em um meio digital. A edição será fechada na madrugada e disponibilizada no dia seguinte no iPad. Será paga e contará com notícias do dia a dia. Republicará conteúdo de outras publicações da News Corp.O projeto entraria no ar somente no ano que vem.

Parece ser algo novo, mas a revista Gourmet, que foi ressuscitada neste ano, também é publicada apenas no tablet da Apple. Não conta com versão impressa nem web.

Em entrevista recente ao Financial Times, James Murdoch, filho de Rupert Murdoch e vice-presidente operacional da News Corp, já havia adiantado que a empresa estava trabalhando em uma publicação exclusiva para iPad. E afirmado que o tablet da Apple poderia levar o jornalismo a “um novo patamar”.

O próprio Murdoch pai deu algumas declarações neste ano afirmando que os tablets poderiam ser uma solução para as empresas de jornalismo.

O projeto do Daily levanta várias questões. Qual o papel da Apple? Ela fornecerá apenas a tecnologia? Essa tecnologia será disponibilizada para outras editoras?

Em tempos em que existe um fluxo constante de informação e a notícia mais recente é a mais importante, em um dispositivo digital, vai dar certo uma publicação que conta com um modo de produção linear, com começo, meio e fim? Em uma época em que os usuários são cada vez mais multiplataforma, criar um produto apenas para uma delas vale a pena?

O que fica evidente com esse lançamento e as recentes declarações públicas é que, para os executivos da News Corp, o desafio atual do jornalismo não é tanto narrativo, mas simplesmente uma questão de mudar de plataforma, do papel para o digital, da banca de revista para o tablet.
REFERÊNCIAS


Crédito da foto: Grant Robertson

sábado, 27 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A padroeira das donas de casa

Clarence Birdseye era um rapaz esperto do Brooklyn, em Nova Iorque, que gostava de duas coisas aparentemente inconciliáveis: viver ao ar livre e ganhar dinheiro.Conseguiu o que queria ao trocar a faculdade, que não terminou, por uma vaga de biólogo de campo, emprego de nível médio oferecido pelo Governo americano num posto de observação avançado, nas proximidades do Ártico. Sem ter muito o que fazer além de observar, espantou-se com algo corriqueiro naquela região gelada: a técnica esquimó de conservar alimentos.

Reparou que o peixe que traziam, e não consumiam na hora, congelava e endurecia rapidamente, bastando ficar exposto à baixíssima temperatura local e à ação dos ventos. Mais intrigante ainda é que, mesmo após semanas ou meses, ao ser descongelado e servido, o peixe não perdia nem o sabor nem os valores nutritivos.

Birdseye havia passado pouco tempo na escola de biologia, mas tempo o suficiente para entender que a estrutura celular do pescado fora preservada.
Farejando excelentes negócios, ele pegou o navio de volta para sua Nova York natal e desembarcou no mercado Fulton, em Manhattan, em setembro de 1922, para vender seu peixe cru. Dois anos depois desenvolveu o processo que lançou as bases da nova indústria: ainda usando barras de gelo, passou a acondicionar o peixe e outros alimentos pré-cozidos – legumes e hortaliças, basicamente – em caixas de papelão, sob pressão.

Para realizar a segunda parte do sonho – faturar bastante – Birdseye arranjou meia dúzia de sócios capitalistas e montou a General Seafood Corporation. A novidade que mudaria a rotina das donas-de-casa e dos homens solteiros ou descasados no decorrer do século XX se espalhou nos anos 30 com a inclusão de 26 gêneros diferentes, inclusive frutas e outros tipos de carne, como a bovina.

O toque de Midas foi dado dez anos depois de sua entrada no mercado de congelados, quando, em 1934, Birdseye encomendou à indústria de refrigeração American Radiator a fabricação, a baixo custo, de grandes quantidades de um freezer rudimentar.

Com grande estoque de aparelhos, a General Seafood Corporation alugava o equipamento aos varejistas por US$ 8,00 mensais mediante contrato que impedia a conservação, naquele freezer, de qualquer outro produto que não tivesse sua marca.

Na década de 40, os produtos Birdseye começaram a viajar em vagões frigoríficos – sendo distribuídos em vários estados americanos – e no serviço de bordo das companhias de aviação. Século XX adiante, hambúrgueres e alimentos de baixo teor calórico foram acrescentados ao cardápio.
FONTE
A PADROEIRA das donas de casa. O Globo. Rio de Janeiro, n. 10, 1999. Globo 2000, p. 222.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Pedagogia digital

Softwares criados na capital mineira pretendem ensinar estudantes por meio da tecnologia

Inspirado na interface do game Age of Empires, que combina diversão com estratégia e história, surgiu o jogo educativo Oásis. Em vez de percorrer a Idade da Pedra, da Ferramenta, do Bronze e do Ferro, o jogador, ou melhor, o aluno avança entre os ciclos econômicos do Brasil. O objetivo? Ensinar geografia brincando, já que os períodos econômicos proporcionaram a expansão territorial do país. O projeto foi realizado pelo geógrafo Alexandre Fernandes Batista, graduado na PUC Minas, que pretende tornar o ensino da matéria mais interessante para alunos do ensino fundamental.

Cada fase do Oásis corresponde a um ciclo econômico, dentre eles a chegada dos portugueses e a exploração do pau-brasil, o cultivo da cana-de-açúcar, a mineração, o café e a borracha. No programa, o usuário tem que realizar tarefas baseadas nessas realidades. À medida que as finaliza, o jogador avança, passando de um ciclo para o outro.

O usuário do software terá uma participação direta no jogo, tomando as decisões de como proceder, a partir das dicas que serão dadas ao longo do percurso. Segundo Alexandre, o jogador vivencia como era o Brasil desde a colônia até a década de 1930, além do Brasil República. “O aluno terá de, por exemplo, seguir as vias naturais, como a região do Rio das Velhas, das Mortes, que serviram como caminho para os bandeirantes. E tudo isso sendo orientado por uma bússola”, detalha o geógrafo.

A proposta é futuramente aplicar o projeto em sala de aula. “O software ainda está sendo finalizado. No meu projeto de mestrado, planejo implantá-lo em uma escola, provavelmente no Colégio Tiradentes, em Contagem, devido à proximidade com a PUC. O projeto não prevê fins lucrativos”, explica Alexandre. Para ele, o uso da informática só veio a beneficiar o ensino, mas é preciso um filtro no acesso para os jovens. “O professor hoje tem o papel também de mediar o conhecimento adquirido na rede pelos alunos”, acrescenta.

Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno de Informática - Quinta Feira, 11/08/2010.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Beady Eye - Bring the Light - com letra no vídeo

Eu sei que não tem a ver com o contexto do blog mas, é mais forte do que eu.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Etanol de tudo?

Tudo é exagero, mas pode-se dizer que hoje em dia é possível produzir etanol de quase tudo. As últimas novidades vêm da cidade de Lane, que fica no Estado de Oklahoma, nos EUA. Segundo o Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (Isaaa, na sigla em inglês), pesquisadores do Serviço de Pesquisa Agrícola (ARS, sigla em inglês) descobriram que possível produzir o combustível a partir do açúcar encontrado no suco da melancia. E a boa notícia é que cerca de 20% da produção norte-americana de melancia não chega a ser colhida por causa de manchas externas. Ou seja, estas frutas que apodreceriam no campo poderiam ganhar um fim nobre: a fabricação de etanol.

As pesquisas demonstraram que uma melancia de 20 libras pode produzir 1,4 libra de açúcar a partir da polpa e da casca, o que resultaria em sete décimos de libra de etanol. Para extrair todo o açúcar, os pesquisadores estão tentando decompor a casca com materiais químicos e tratamentos enzimáticos. Eles também estão avaliando diferentes combinações de temperatura e leveduras para otimizar o processo.

Mas o etanol de melancia não é a única novidade no mundo das pesquisas. De acordo com o Isaaa, cientistas da unidade de cítrus e produtos tropicais, localizada em Winter Haven, na Flórida, descobriram que as cascas de frutas cítricas, antes usadas como ração animal, também podem servir de matéria-prima para a produção do combustível. Para se ter uma ideia, só na Flórida, o resíduo seco das cascas de laranja chega a 1,2 milhão de toneladas por ano, montante que pode resultar na produção de cerca de 300 milhões de litros de etanol. 300 milhões de litros de etanol é a capacidade anual de produção da Flórida, a partir das cascas de laranja

As possibilidades de matériasprimas não se esgotam aí. Cabe lembrar que Ron Paul, que foi candidato às prévias presidenciais dos EUA pelo Partido Republ i cano, tinha como um dos lemas de sua campanha a liberação da maconha. Para quê? Segundo o congressista, a planta é capaz de produzir mais etanol que o milho. Enfim, num contexto em que o mundo busca alternativas para não depender do petróleo, qualquer hipótese merece ser levada em consideração. Tanto é que já há pesquisas analisando a viabilidade de produzir o biocombustível a partir da polpa de pêssego que não é utilizada pela indústria. Mas não é só para as frutas que o meio acadêmico está olhando.

Nos EUA, cientistas já estão fabricando etanol a com switchgrass, uma gramínea de crescimento rápido comum nas grandes planícies norte-americanas.

E não é só os EUA que estão descobrindo diferentes matérias-primas. Na Universidade Federal de Tocantins, o professor Márcio Silveira descobriu que o amido da batatadoce também pode ser fonte de etanol. Tanto é que a Secretaria de Agricultura do Tocantins (Seagro) firmou convênio com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a UFT, a Eletronorte, o Sebrae e o Instituto Ecológica para construção de miniusinas que beneficiarão pequenos produtores agrícolas. Outra descoberta veio do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (FEI).

Alunos da instituição fizeram estudos com a casca da banana e obtiveram bons resultados. A partir da fermentação de um quilo do material, os estudantes conseguiram fabricar entre 127ml e 190 ml do combustível. Agora é só esperar para saber qual será a próxima descoberta.

REFERÊNCIAS

http://www.terra.com.br/revistadinheirorural/edicoes/57/artigo143190-1.htm